Endereço
Av. Brasil, 2595 - Centro, Gov. Valadares - MG, 35020-070

6 dicas de como usar o WhatsApp com bom senso no trabalho

6 dicas de como usar o WhatsApp com bom senso no trabalho

O WhatsApp é um aplicativo bastante útil para as conversas instantâneas, sejam elas recreativas ou profissionais. É possível manter uma comunicação por meio de áudio, vídeo, foto, emoji e figurinha, e é possível até dar um telefonema ou fazer uma videochamada pelo app. Mas não se pode negar que seu uso em excesso pode gerar problemas, especialmente no trabalho. E é isso que leva muitos trabalhadores à dúvida: afinal, WhatsApp no trabalho pode ser proibido? Talvez mais importante do que isso é considerar o uso do WhatsApp com bom senso no ambiente de trabalho.

Não por acaso, o tema é objeto de tantas demissões e ações trabalhistas que já existem jurisprudências que ajudam a determinar o limite do abuso do aplicativo na hora do expediente. O motivo é óbvio: o uso do app para fins pessoais provoca a dispersão do funcionário, diminuindo sua produtividade e, consequentemente, os resultados esperados pela empresa.

Na falta de leis mais modernas que tratem do uso de redes sociais, cabe ao empregador determinar regras para o uso moderado ou mesmo para a proibição de aparelho celular durante o trabalho, mas já existem alertas também sobre o comportamento dele para o aplicativo. Veja algumas dessas situações:

1) Justa causa

Considere que o que você escreve no grupo da empresa tem o mesmo peso de dizer pessoalmente, face-a-face. Por esse motivo, ofensas, ironias, brincadeiras indevidas ou divulgação de conteúdo impróprio, por exemplo, podem gerar demissão por justa causa. Utilize esse grupo exclusivamente para tratar de trabalho, e se for o caso de apresentar alguma queixa ou contrapor alguém, faça-o por outro meio para evitar exposição.

O mesmo vale para a chefia: mensagens que superexponham o colaborador no grupo de trabalho podem ser configuradas como assédio moral, e passível de danos morais.

2) Hora extra

A exigência do empregador de que o funcionário responda a mensagens pelo Whatsapp fora do horário de trabalho pode resultar em pagamento de hora extra numa eventual ação judicial. Esse é um critério que pode ser analisado de diferentes formas de um juiz para outro. Neste caso, as mensagens escritas, os áudios e demais mídias servem como prova de que houve abuso fora do horário de expediente.

Por outro lado, não adianta o trabalhador forçar a barra. O colaborador deve saber que não se trata de receber e responder a uma única mensagem, mas comprovar que a comunicação fora do horário é uma prática cotidiana e exploratória. Se o expediente quase sempre continua ao chegar em casa, atendendo a solicitações da chefia, há um risco de essas horas extras serem computadas no banco de horas do funcionário.

3) Ferramenta

A empresa não pode exigir que um funcionário compre um aparelho celular que dê acesso ao aplicativo nem que utilize seu telefone pessoal para essa finalidade. A exigência só é aceitável no caso de o telefone ser fornecido pela empresa como ferramenta de trabalho e o WhatsApp um meio de comunicação oficial.

Se o app passa a fazer parte das ferramentas de trabalho do empregado, ele não pode ser demitido porque não tem um aparelho adequado ao uso. Neste caso, compete à empresa fornecer um em condições de uso.

4) Proibição de WhatsApp pode?

A empresa tem autonomia de proibir totalmente o uso não apenas do Whatsapp como de qualquer outra rede social, mediante a queda de rendimento, por exemplo. Mas essa proibição precisa ser comunicada.

Convém também que os motivos dessa regra sejam trabalhados junto aos funcionários, tornando o ambiente mais harmônico, e de modo que dê direito a exceções. Por exemplo, para tratar de um assunto importante, de cunho pessoal. De toda forma, o não-cumprimento pode acarretar em advertência, suspensão e até demissão por justa causa.

5) Alerta silencioso

No caso de ser permitido o uso moderado do Whatsapp no trabalho, tenha uma atitude sempre respeitosa: coloque o alerta de mensagens no silencioso para evitar os toques constantes, e abaixe o volume do som do celular para ouvir os áudios. Não disperse os colegas durante o expediente. Aproveite para mostrar mensagens divertidas e curiosas somente no intervalo ou num momento em que o clima estiver mais propício.

6) Prefira uma ligação

Embora esteja instalado no aparelho, saiba utilizar adequadamente o WhatsApp. Se precisa comunicar algo com uma certa urgência, procure fazer uma ligação. A conversa pessoal, neste aspecto, é mais eficaz.

Em geral, o melhor é explicar para o seu chefe se precisar ficar mais antenado às mensagens. Se este não for seu caso, haja com bom senso. Talvez este seja um caminho mais vitorioso para garantir que o WhatsApp continue liberado no seu ambiente de trabalho.

Quais são as regras de WhatsApp no seu emprego? Há restrições ou é liberado? Comente e compartilhe este texto.

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.